top of page
parceiros-dermaconecta.png

Dermatite atopica canina: guia completo e tratamento

Atualizado: 7 de fev.

Atopia canina

A dermatite atópica canina (DAC) é uma condição inflamatória da pele resultante de vários fatores, incluindo predisposição genética, alterações imunológicas, comprometimento da função de barreira da pele e sensibilidade a alérgenos ambientais.


Como é o tratamento da dermatite atópica canina?

O tratamento da dermatite atópica canina (DAC) é baseado na abordagem multimodal.


dermatite atopica canina

Essa abordagem terapêutica consiste em combinar diferentes modalidades de tratamento, como o uso de medicamentos sistêmicos, controle ambiental, suplementos nutricionais e cuidados tópicos com a pele. Essas medidas visam reduzir o prurido e a inflamação da pele, além de melhorar a barreira cutânea e reduzir a exposição a alérgenos.


  • Redução da carga alérgica (controle ambiental)

  • Medicação oral sistêmica (controle da inflamação e/ou prurido)

  • Banhos medicamentosos (controle da inflamação e/ou prurido)

  • Controle de ectoparasitas

  • Nutracêuticos (reposição de ceramidas, ômegas, etc).

  • Imunoterapia alérgeno-específica


Limiar de prurido: um conceito para ter em mente quandro tratar um cão atópico

O limiar de prurido é um conceito importante na dermatite atópica canina. Refere-se ao nível de irritação mínima necessária para desencadear uma resposta de prurido (coceira) em um cão com dermatite atópica. Em outras palavras, é a quantidade de estímulo necessário para que o cão comece a se coçar.


Na dermatite atópica canina, os cães têm uma resposta exagerada a estímulos ambientais comuns, como alérgenos, ácaros, poeira e pólen. Eles apresentam uma sensibilidade aumentada a esses fatores, o que resulta em uma resposta inflamatória na pele e no prurido intenso.


O limiar de prurido é geralmente baixo em cães com dermatite atópica, o que significa que eles podem começar a se coçar ou lamber mesmo em resposta a níveis mínimos de estímulos irritantes. Isso pode incluir coisas como pequenas quantidades de alérgenos no ambiente, substâncias químicas em produtos de higiene ou até mesmo o contato com certos tecidos ou materiais.



Identificação e controle da exposição de alérgenos

A redução da carga alérgica é fundamental! Identificação e eliminação de possíveis alérgenos que possam estar causando a reação alérgica. Pode ser necessário controlar a exposição a alérgenos ambientais, como ácaros, poeira e pólen, por meio de medidas como manter a casa limpa e livre de poeira, evitar o contato com gramas e plantas que possam causar alergias, etc.


Tratamento farmacológico sistêmico

Entre as medidas mais comuns para reduzir o prurido, estão o uso de fármacos como anti-histamínicos, corticosteroides, imunossupressores ou imunomoduladores, para reduzir a inflamação e controlar os sintomas.


  • Anti-histamínicos: cloridato de hidroxizine, cetirizina, clorfeniramina (os antihistaminicos não tem grande ação no controle do prurido, no entanto, convém testá-los em face a poucos colaterais).

  • Corticóides: prednisona, prednisolona

  • Inibidores da calcineurina: ciclosporina, tacrolimus, pimecrolimus (agem inibindo a produção de citocinas e diminuindo atividade do linfócito T).

  • Inibidor da Janus Kinase: Oclacitinib (clique e saiba mais sobre o oclacitinib)

  • Imunobiológicos: anticorpo monoclonal lokivetmab (clique a saiba mais sobre o cytopoint)


Tratamento tópico: banhos, cremes, loções

Em alguns casos, medicamentos tópicos, como cremes ou pomadas, podem ser prescritos para aliviar a inflamação e reduzir o prurido localizado. Uso de produtos tópicos, como xampus, cremes ou loções, para ajudar a aliviar o prurido e irritação da pele. Banhos regulares com produtos específicos para para ajudar a aliviar o prurido, reequilibrar a microbiota cutânea, remover alérgenos, etc.


Xampus com aveia coloidal: ajudam a hidratar a pele, aliviar o prurido (coceira) e melhorar a função de barreira cutânea. Eles também podem ajudar a remover alérgenos e substâncias irritantes presentes na pele do cão.


Emolientes e hidratantes: O uso de emolientes e hidratantes tópicos pode ser útil para melhorar a hidratação da pele e fortalecer a função de barreira cutânea. Isso pode ajudar a reduzir o prurido e a inflamação. Ingredientes como ceramidas, ácido hialurônico e ureia são comumente encontrados nesses produtos.


Corticosteroides tópicos: Os corticosteroides são medicamentos anti-inflamatórios que podem ser aplicados topicamente na pele. Eles ajudam a reduzir a inflamação, aliviar o prurido e controlar os sintomas da dermatite atópica. Existem diferentes potências de corticosteroides disponíveis, e o veterinário irá prescrever a opção mais apropriada para o caso do seu cão, levando em consideração a gravidade dos sintomas e a área acometida.


Clorexidine: A clorexidina é um agente antisséptico amplamente utilizado na medicina veterinária para o tratamento de piodermite secundária em cães. A piodermite secundária é uma infecção bacteriana da pele que ocorre como uma complicação de outra condição subjacente, como a dermatite atópica. A concentração recomendada geralmente varia de 2% a 4%, mas é importante seguir as instruções do médico veterinário quanto à concentração exata e a frequência de aplicação.


Ômegas 3 e 6

A suplementação com ácidos graxos essenciais como ômega-3 e ômega-6, podem ajudar a fortalecer a barreira da pele e reduzir a inflamação. Esses ácidos graxos são considerados essenciais porque o organismo do cão não pode produzi-los em quantidade suficiente e, portanto, devem ser obtidos por meio da alimentação.


Os ácidos graxos ômega-3 têm propriedades anti-inflamatórias, enquanto os ômega-6 são importantes para a manutenção da integridade da barreira da pele. A suplementação com ômega-3 e ômega-6 pode ser realizada por meio de óleos específicos ou por meio de dietas comerciais formuladas para promover a saúde da pele e do pelo. É importante consultar um médico veterinário para determinar a dosagem adequada e a forma de suplementação mais adequada para o cão, considerando o peso corporal, a gravidade dos sintomas e a dieta geral.



Controle de pulgas e outros parasitas

O controle de pulgas e outros parasitas é essencial no tratamento da dermatite atópica em cães, pois esses parasitas podem agravar o prurido. O controle de ectoparasitas desempenha um papel crucial no gerenciamento do limiar de prurido na dermatite atópica canina. Ectoparasitas, como pulgas e carrapatos, podem agravar os sintomas da dermatite atópica e levar a um aumento no prurido.


Existem diversos produtos no mercado, como spot-ons, comprimidos e coleiras e, que são eficazes no controle de pulgas e carrapatos. É importante seguir as instruções do fabricante e consultar um veterinário para escolher o produto mais adequado para o seu cão, considerando sua idade, peso, saúde geral e necessidades individuais.


Conclusão

Em resumo, o tratamento da atopia canina envolve diferentes modalidades de tratamento para controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do animal.


É importante sempre consultar um veterinário para orientação adequada e personalizada sobre o tratamento da dermatite atópica em cães.




Sobre a autora

Dra Aline Santana é médica veterinária formada pela Universidade Federal de Viçosa, com residência em clínica médica de pequenos animais pela mesma instituição. Possui mestrado e doutorado em Ciências pelo Departamento de Clínica Médica da FMVZ/USP, com período de intercâmbio realizado no exterior (University of Minnesota, Estados Unidos). Desde 2012, Dra. Aline Santana é sócia da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária (SBDV). Durante o período de 2015 a 2021, atuou como diretora de mídias e colaboradora da SBDV.


Atenção: Este texto é uma criação original e está protegido pela lei de direitos autorais. Todos os direitos estão reservados à autora, sendo proibida a reprodução, distribuição, exibição ou qualquer forma de uso sem a expressa autorização por escrito da autora. Qualquer uso não autorizado do conteúdo deste website constitui violação dos direitos autorais e estará sujeito a medidas legais. Caso você tenha interesse em utilizar este texto ou parte dele, por favor, entre em contato através do seguinte endereço de e-mail: dermaconecta@gmail.com




Comments


newsletter-dermatologia.png

Newsletter

Mais recentes

banner-lateral.png

Categorias

bottom of page